Kutless - What faith can do

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Exílio voluntário

No outro dia estava a pensar, e escrevi algo que um dia ainda vai amadurecer nas minhas ideias.
Amo o meu país como uma mãe ama o seu filho, mas esse país que eu adoro obrigou-me a viver exílado. Anseio a cada ano voltar ao seio desse meu querido e amado Portugal.
Cada vez que volto a esses lugares onde eu vivi, é como se renascesse de novo. Volto lá e recalibro a alma para uma nova "seson" de exilio. Adoro voltar e me embebedar naquelas cores tradicionais do Alentejo, os amarelos e alaranjados das paisagens bucolicas onde os gados pastam tranquilamente entre uma ou outra árvore verde. Adoro sentir o calor a queimar-me a pele branca, depois de um inverno onde raramente vejo o sol no horizonte deste outro país que me ama e me trata como um filho de pai abastado, que zela pelo meu bem estar mas que eu não respondo com a minha afeição.
É impossivel amar um outro país quando já se tem um no coração. Nós sempre encontramos defeitos como o facto de ser demasiado verde, tudo é verde aqui e o céu cinzento e frio que fica impossível de caminhar ao ar livre. Nós vivemos prisioneiros do nosso bem estar, mas culturalmente vivemos o ano inteiro esfomeados. Eu hiberno aqui o ano inteiro, ansiando por voltar aquela maravilha de país de céu e mar azul.
Amo a nostalgia de umas férias de verão.

2 comentários:

Olga disse...

Mano, estamos onde está o nosso coração. Podemos ser felizes em qualquer lado, não sintas o exílio, sente a liberdade. Beijinhos.

valdeiza disse...

Oi querido!

Primeiro, parabéns pelo blog, adorei a idéia, te fara bem.
Quanto ao seu texto, entendo sua angustia mas penso que depende de voce a possibilidade de ver as cores que te circundam.
Querido, minha sugestão é a de que voce tire os "oculos de sol" da insatisfacao e veja mais cores para alem do cinza e do verde.
Nesse sentido gosto de ouvir e meditar na letra de uma musica do Arnaldo Antunes e tentar fazer dela uma verdade na minha vida.
Espero que te ajude tambem a meditar sobre a verdade de que "A nossa Casa é aonde a gente esta, a nossa casa é em todo o lugar..."

A Nossa Casa
by Arnaldo Antunes

Na nossa casa amor-perfeito é mato
E o teto estrelado também tem luar
A nossa casa até parece um ninho
Vem um passarinho pra nos acordar
Na nossa casa passa um rio no meio
E o nosso leito pode ser o mar

A nossa casa é onde a gente está
A nossa casa é em todo lugar
A nossa casa é onde a gente está
A nossa casa é em todo lugar

A nossa casa é de carne e osso
Não precisa esforço para namorar
A nossa casa não é sua nem minha
Não tem campainha pra nos visitar
A nossa casa tem varanda dentro
Tem um pé de vento para respirar

A nossa casa é onde a gente está
A nossa casa é em todo lugar
A nossa casa é onde a gente está
A nossa casa é em todo lugar

Beijos

Prima Deiza